NOTA SISPMUR

0
40

A diretoria do Sispmur, em nome da presidente Geane Lina Teles vem a público trazer os questionamentos apresentados pelo senhor Secretário Municipal de Gestão de Pessoas, onde pontua as reivindicações apresentadas pelos servidores para a paralisação que acontecerá na quinta-feira (13).

Diante do ali exposto destacamos que:

A paralisação que acontecerá nesta quinta-feira (13), tem como principal motivo o efetivo o não atendimento as diversas reivindicações apresentadas desde o início da gestão, o diálogo por diversas vezes ocorreu nesses últimos três anos, mas com poucos resultados efetivamente implantados até o momento, cerceando por diversas vezes os direitos dos servidores públicos municipais.

O Sispmur reconhece e enaltece o empenho do prefeito em pagar a Revisão Geral Anual (RGA) e o salário dentro do mês, mas destaca que essa é uma obrigação do gestor, e que não poderia ser diferente diante da arrecadação municipal.

Em relação à criação do vale alimentação para os servidores o Sispmur em nenhum momento foi informado ou notificado sobre a execução desse levantamento, inclusive pediu ao prefeito que fizesse uma força tarefa, sem retorno até o momento.

O Concurso é preciso e necessário, de outro tanto, existe a necessidade de se revisar os PCCVs que foi publicado no ano de 2016, sendo o Prefeito conhecedor das diversas falhas existentes, assumiu compromisso quando ainda estava em campanha de revisá-lo, o que não fez até a presente data.

É lastimável e inadmissível que os professores que tomaram posse no último concurso, até o momento não puderam elevar nível, por que a qualificação não foi ofertada pela SEMED em tempo hábil, o que está trazendo prejuizos mensais a esses servidores, se fosse seguir o rito da lei como o prefeito cita, o professor que apresentar certificado com mais de 240h, deveria ser enquadrado já que a lei traz a carga horaria mínima e não máxima, inclusive vários desses servidores que não conseguem o “curso de qualificação” possuem inclusive mestrado, doutorado e mesmo assim, não efetivam o direito.

Assim, se mostrou necessário, a volta da meritocracia, ou seja, elevar pela qualificação pessoal de cada servidor, pois o bem maior estará sendo beneficiado, que é a população.

O Senhor Prefeito fala na construção de novas creches, mas se esquece que as novas unidades precisam de recursos humanos, como merendeira, vigilante, secretaria, auxiliar de apoio a Higienização, professores e etc, sabido que com exceção do cargo de professor os demais estão sendo preenchidos por estagiários, contratados e terceirizados.

Estranhamente a Secretaria de Gestão de Pessoas pediu para os servidores que estão se sentindo prejudicados procure a Secretaria de Gestão de Pessoas, englobando as demais pastas como a saúde e educação, quando não se consegue nem conhecer as demandas da própria pasta, imagine trabalhar com os Recursos Humanos da Saúde e Educação, centralizar nunca foi saudável para o poder público.

No tocante aos servidores que laboram 30 horas e 40 horas, diferente do que falado pelo Senhor Secretário, não foi dada aos servidores a opção de decidir e sim feita uma imposição, para que se pudesse incorporar a produtividade aos vencimentos, diferente de outros servidores que não tiveram prejuízos salariais e mantiveram a mesma carga horaria, ou seja, estamos diante de uma desigualdade entre servidores do mesmo Ente Federativo.

Por fim, em relação à perícia médica, rogamos ao gestor municipal que não espere tragédia maior, do que já aconteceu, para que então sejam concluídos esses trabalhos citados por ele.
Att.

DIRETORIA DO SISPMUR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui